Campanha em prol da preservação do Engenho Verde, vários ecoparques das vizinhanças e todo ecossistema das matas, agricultura diversificada que abastece a feira de Palmares e de outras cidades da Mata Sul. Riachos, cachoeiras, todo patrimônio cultural e natural.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

* Jornal O OLHO investiga terror da barragem - Parte 1

Reportagem do JORNAL O OLHO não conseguiu acessos à área de construção da Barragem em construção no Engenho Verde, Distrito de Serro Azul, Palmares - PE. Hostensivo policiamento impede entrada de reportagem ou de qualquer cidadão que não seja trabalhador da empreiteira. Fotos e filmagens proibidas.
Foto da obra da Barragem de Serro Azul, Distrito de Serro Azul - Palmares - PE. Fotografia realizada de longe por uma ativista social

A barragem se transformou num terror não somente para moradores do Engenho Verde e arredores que estão despejados de suas terras que há dezenas de anos cuidam e mantém suas famílias. Os trabalhadores da construção da barragem também passam por graves problemas.
Foto da obra da Barragem de Serro Azul, Distrito de Serro Azul - Palmares - PE. Fotografia realizada de longe por uma ativista social

Reportagem do Jornal O OLHO conversou com um trabalhador de uma das empreiteiras daquela construção. E eis as informações corretas relatadas por quem está dentro da obra (o informante será protegido por segurança de vida e para não perder emprego):

O Paredão:
O paredão programado ao término da obra medirá 4 Km de extensão por 68 metros de altura. 

Acidentes:
Ocorreram 2 acidentes durante explosões de dinamites usados para destruir pedregulhos na área. Diáriamente ocorrem explosões. Os acidentes ocorreram porque "esqueceram" de contar quantas bananas de dinamites explodiram e liberaram a área, então as restantes foram acionadas por acidente quando máquinas automotivas passaram (uma das máquinas foi atingida e um trabalhador sofreu susto quando uma imensa rocha passou perto dele). Trabalhadores estão temerosos.
Quanto aos moradores do Engenho Verde e da Sede do Distrito de Serro Azul, sofrem com as explosões. Além das rachaduras em várias casas de familias que ainda não foram retiradas do local, problemas nervosos devidos às tensões sobre as explosões e as questões dos despejos da população para outro local. 
Veja reportagem no site da Comissão Pastoral da Terra: Trabalhador é gravemente ferido na obra da Barragem de Serro Azul.


Demissões e debandada de trabalhadores:
Na obra da barragem há duas empreiteiras: MRV Engenharia (de Brasília) e Construtora Triunfo (de São Paulo). 
Nosso informante disse que houve 400 demissões de trabalhadores. E vários vindos de outros Estados pediram transferências por temores sobre a obra. Temores que foram repassados por Engenheiros que também não quiseram ficar na obra e pediram transferências por não concordar com o Projeto, repassando informações para operários. Vários engenheiros não quiseram ficar em Serro Azul. Além da agressão ambiental há falhas no Projeto (estudos mal elaborados sobre o terreno que não é apropriado para construção de barragem).
Desde início da construção da barragem ocorreu variação de contratações e demissões. Quando demitiram 400 operários, contrataram 200. Isso mostra uma estratégia das empresas por motivos de vínculos empregatícios. Mas nosso informante disse que o número de operários diminuiu na obra, algo estranho porque chegando época de estiagem na Mata Sul (ja está com seca há tempo, poucas precipitações pluviométricas), quando deveriam acelerar a obra, então desaceleraram.
Ultimamente houve problemas sobre pagamentos dos operários porque o Governo do Estado não enviou verba e a Empreiteira Construtora Triunfo que é mais poderosa que MRV Engenharia, cobriu os pagamentos dos trabalhadores.

Os chefes das empreiteiras dizem que o helicóptero a circular pelo local sempre é o Governador vistoriando a obra. E que ele não está satisfeito com a morosidade. Muito dinheiro já foi liberado que não se condiz com as realizações locais da construção mostrando resultados inferiores ao gasto exorbitante.

A construção da Barragem de Serro Azul gerando injustiça social contra os moradores da localidade e contra os trabalhadores das empreiteiras que vivem sob tensão por vários motivos de instabilidades trabalhistas (de uma hora para outra podem ser demitidos) e inseguranças.

Uma guarnição da Polícia Militar mantém o local da obra intensamente guarnecido.

Reportagem publicada no blog JORNAL O OLHO

quarta-feira, 11 de abril de 2012

* Egoísmos da sociedade consumista esquece a preservação do Rio Una!

O Professor Vilmar Carvalho escreveu um relato importante após Reunião de representantes comunitários com o Governo do Estado de Pernambuco. Ele descreve como o Rio Una é esquecido e maltratado: A defesa da propriedade, o Rio e as escolhas deixadas de herança
Aproveitando o ensejo, o poeta Jaorish Gomes Teles divulgou um poema surgido da inspiração ao ler a crônica:
Algum dia saberão que o Rio é uma artéria de vida
do organismo planetário e dádiva divina
que essa sociedade consumista poluidora desrespeita.
Una dos negros, desaguou lágrimas que choraram de torturas senhoriais.
Una, hoje mais negro que nunca
de pútrida omissão desumana das cidades ribeirinhas
vomitando esgotos nas veias de Gaya...
Espelhando um céu sufocado pelas chaminés das usinas de açúcar
que amarga a vida do trabalhador rural...
Una que leva nas águas enfurecidas ou calmas
os restos dejetos da estrutura decadente que ele teima em lavar mágoas.
Negro Rio, tão Una quanto sempre
teimando depurar os próprios caminhos quando  retoma seu lugar natural que as cidades invadiram
E vomitando lamas de desprezo à vaidade e egoísmo dos decadentes habitantes urbanos,
Marca ferozmente o tempo que os homens pensam serem donos.
Rio Una é Imperador e não há muralhas que impeçam seu despotismo.
Quem não obedece as Leis Naturais ouvirá a voz das águas.
Quem não respeita a biodiversidade verá a fúria das águas.
O Rio meu irmão maior que me ensina a ser transgressor contra o agressor.
O Rio que me ensina a linguagem feroz contra quem transgride o Sagrado.
O Rio Una onde em seu corredor dos ventos
ouço soluços e murmúrios dos sonhos ainda sonhados
mensageiros dos anseios de perpetuação da vida dos nossos antepassados.

*

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

* MOVIMENTO AMBIENTALISTA SE MOBILIZA CONTRA AS BARRAGENS!

Muito se fala sobre a ncessidade de construção da enorme Barragem em Serro Azul (papo do Governo do Estado para o faturamento politiqueiro em cima das obras), Distrito de Palmares. E defendemos que há outras soluções! Os moradores das áreas a ser inundadas pelas águas da barragem sofrem graves consequências!. E eis aqui especialistas falando sobre o assunto:


Vídeo com moradores da zona rural de Palmares-PE e Bonito-PE, mostrando alternativa de mudança do paredão da Barragem de Serro Azul. O Governo deveria mudar o Projeto originário, feito às pressas, evitando assim, os enormes impactos às pessoas da região e ao meio ambiente como um todo.

E eis aqui outra reportagem sobre a realidade dos moradores da área a ser atingida pelas águas da barragem:



Pé na Rua - 2a Temporada
Programa 37
Quadro "Diga Aí" sobre a construção da barragem Serro Azul, em Palmares.